sexta-feira, 19 de junho de 2009

Mundo Ploc: Garotas de Programa Universitárias


Texto: Jadson Osório (jadsonosorio@hotmail.com)
Foto: Paula (cedida)

Nas faculdades e universidades de Teresina existem meninas dispostas a tudo para se formar, ter sucesso e ganhar dinheiro. Elas se tornam acompanhantes de luxo de homens bem sucedidos e com muito dinheiro para gastar.
Paula (nome fictício), 23 anos, morena, alta e bem vestida, é estudante universitária e há mais de três anos faz programas na capital do Piauí. “Apesar de trabalhar preciso de mais dinheiro para satisfazer minhas necessidades pessoais e investir em mim”, diz Paula. A estudante de jornalismo que fala duas línguas vive de fazer programas “de luxo”, chega a ganhar R$ 3.000. por mês. “Dias desses saí com uma cara de São Paulo. Jantamos no restaurante do melhor hotel da cidade, transamos e no final de tudo ele me deu R$ 1.300 e um perfume importado. Quase não acreditei, mas cliente assim não aparece todo dia”. Como entrou na vida? “Através de uma amiga e uma prima que também ‘saem’”, afirma a jovem.

A garota de programa conta que já recebeu propostas para morar na Europa. “Me chamaram pra fazer programa na Espanha. Disseram que o meu biótipo é muito procurado naquela região. Mas não fui porque as condições de trabalho lá não são boas”, afirma. Ela explica que seus clientes são encaminhados por cafetinos que oferecem seu trabalho para empresários e políticos, na maioria. “A maioria dos meus clientes são políticos e empresários influentes. Isso é bom e no mundo do plocs (programas), abrem muitas portas”, diz. Os cafetinos ganham cerca de 30% do valor do programa que gira em torno de R$ 250. Por dia, Paula diz que consegue fazer uma média de cinco programas.
Casada há quatro anos, loira e linda. Esta é Samara (nome fictício) jovem de 25 anos. "Comecei quando tinha 19 anos. Já consegui muita coisa com os ‘plocs', muitas viagens, presentes e um carro”, confessa a garota. Samara também atua como agenciadora de meninas (cafetina) e diz estar cansada de fazer ‘ploc’. “Meu marido nem sonha, mas estou mais quieta agora. Tenho medo dele desconfiar”, diz a jovem que está concluindo a faculdade de publicidade.
Foi para pagar sua faculdade que Leandra (nome fictício) começou a fazer programas. A jovem de 24 anos estuda administração e diz adorar o curso. “Vale a pena! Quando vejo o dinheiro fico satisfeita. Sei que ele é fundamental para pagar minha faculdade e manter minhas regalias. E tem suas vantagens. Já saí até com cantor famoso, ele cantou pra mim e tudo”, descontrai Leandra.
A jovem termina dizendo que tem planos de parar de fazer programa no final deste ano. “Juntei um bom dinheiro, vou abrir uma coisa pra mim. Parar de ‘sair’, estou ficando velha. Já tem muita meninazinha de 17 anos competindo comigo”, brinca Leandra.



podcast - ploc


Veja também:
EXCLUSIVO: Beth Cuscuz fala de sua vida e de sua "casa de diversões"

Comente esta matéria!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário